Google+ Followers

Assim surgiu o Racionalismo Cristão - Por Antônio do Nascimento Cottas


ASSIM SURGIU O RACIONALISMO CRISTÃO

Por Antônio do Nascimento Cottas

Luiz de Mattos desencarnou no dia 15 de janeiro de 1926, quando completava, exatamente, 66 anos e 12 dias de vida física.

Seu nome todo era Luiz José de Mattos Chaves Lavrador, mas assinava simplesmente, despretensiosamente, Luiz de Mattos.

Nascido na Vila de Chaves, Província de Trás-os-Montes, Portugal, a 5 de janeiro de 1860, era filho de José Lavrador, natural de Orence, Província da Galiza, Espanha, descendente, em linha reta, dos fidalgos Lavrador, e de D. Casemira Julia de Mattos Chaves, que descendia, por sua vez, dos grandes lutadores e fidalgos Mattos Chaves – fundadores da linda, hospitaleira e salubérrima Vila de Chaves (hoje cidade).

Aos 13 anos, em 1873, veio para o Brasil, desembarcando no Rio de Janeiro, onde o esperava o seu irmão Victorino de Mattos Lavrador, negociante em Santos, que o internou no Colégio São Luiz, em Botafogo, para seguir os estudos.

O desejo, porém, de Luiz de Mattos era ir para Santos, no Estado de São Paulo, para ficar em companhia de seus tios Victorino e João de Mattos Chaves.

Partiu, assim, autorizado por seus tios, para essa cidade, tempos depois, onde se empregou em importante casa de estivas – secos e molhados no atacado – e da qual se passou, mais tarde, para o comércio de café, desenvolvendo aí grande atividade.

Dotado de uma inteligência invulgaríssima, tudo assimilou com incrível facilidade, neste novo rumo de comércio, nada havendo que Ele não soubesse fazer com perfeição, inclusive ensacar, empilhar, separar e qualificar o café.

Seus chefes, que muito o estimavam e admiravam, despacharam-no para o interior de São Paulo e Minas, com a incumbência de comprar e obter consignações de café.

Livro do Racionalismo Cristão - Por Luiz de Mattos

Racionalismo Cristão - Por Luiz de Mattos





Livro essencial atual - editado pela Filosofia Espiritualista Racionalista Cristã na 45ª. edição.  Livro impresso a disposição de todos no site do Racionalismo Cristão.

Ou no endereço Casa-Chefe - Telefone (21) 2117-2100
Rua Jorge Rudge, 119 – Vila Isabel
20550-220 Rio de Janeiro, RJ - BRASIL






Racionalismo Cristão - Por Luiz de Mattos

Observamos que esta publicação da 43ª. edição, é apenas uma homenagem histórica dedicada a filosofia espiritualista Racionalista Cristã! Dessa forma, as pesquisas relativas, devem ser realizadas na última edição disponível no site do Racionalismo Cristão.

43ª. edição
Centro Redentor
Rio de Janeiro
2004



Originalmente, a obra foi publicada em 1914 com o título Espiritismo Racional e Scientifico (christão), conservando-o até 1940, ano da 14ª edição.

partir da 15ª edição (1942), é impressa com o título atualRacionalismo Cristão.
texto da orelha foi escrito em 1958, ano da 21ª edição.

Ciência Espírita - Por Dr. Antônio Pinheiro Guedes


Ciência Espírita - Por Dr. Antônio Pinheiro Guedes


Livro editado pela Filosofia Espiritualista Racionalista Cristã
A disposição de todos no site do Racionalismo Cristão
Ou no endereço Casa-Chefe - Telefone (21) 2117-2100
Rua Jorge Rudge, 119 – Vila Isabel
20550-220 Rio de Janeiro, RJ - BRASIL


Sobre o autor e o livro
(8a edição, 1992)

É provável que muitos não saibam quem foi Dr. Pinheiro Guedes, cuja projeção no movimento espiritualista vem ainda do tempo do Império.
Pinheiro Guedes, médico na Corte, oficial do Exército, foi Senador da República, justamente quando se instalou a Assembleia Constituinte de 1890, que elaborou a primeira Constituição Republicana do Brasil. Era Pinheiro Guedes, nessa ocasião, representante de Mato Grosso, ao lado de Joaquim Murtinho. Da independência de seu caráter e sinceridade de suas convicções, é prova o fato de haver Pinheiro Guedes, com Ângelo Torterolli e outros espiritualistas da época, encabeçado uma comissão que foi à presença de Pedro II oferecer uma coleção de obras espíritas ao magnânimo Imperador do Brasil.
Ciência Espírita prova de início, que a Medicina se originou do espiritismo e demonstra a perfeita entrosagem entre o corpo, que o médico trata, e o espírito, que preside a formação desse corpo, desde a sua fase inicial. Daí a extraordinária vantagem do médico que, possuidor da ciência humana, é também conhecedor da ciência espírita. Nesta ordem de ideias, o Dr. Pinheiro Guedes é de uma clareza admirável, e se torna irresistivelmente fascinante quando explica, sob a luz da ciência espírita, os fenômenos comumente designados como histerismo, loucura e outros.
Ciência Espírita analisa e expõe à origem, a natureza e a evolução da alma, a criação das matérias, o papel de átomos e células, a formação dos seres, a força psíquica, etc., uma série de temas interessantes, proporcionando novos e utilíssimos conhecimentos a todos, numa linguagem clara, simples e persuasiva, dirigida mais ao raciocínio do leitor do que às suas próprias crenças e sentimentos religiosos Assim, vazado em linguagem acessível a qualquer curioso das relações entre a Medicina — ciência materialista por excelência — e o espiritualismo, Ciência Espírita é valiosa contribuição científica do estudo do Espiritismo.
Mais do que a clareza com que expõe suas ideias espiritualistas, impressiona o leitor destas páginas do médico brasileiro Pinheiro Guedes sua visão, talvez disséssemos melhor, sua intuição, ao tratar de assunto tão transcendente, em face duma ciência materialista como a Medicina.
À medida que o leitor se vai assenhoreando dos fascinantes conhecimentos sobre a vida fora da matéria, segundo o raciocínio metódico e persuasivo do autor desta obra, desdobra-se aos seus olhos novo panorama, até então desconhecido.
Sua oferenda “aos Mestres, que me ensinaram a conhecer o corpo”, deixa entrever que o autor — há quase cem anos atrás — confiava em que, mais cedo ou mais tarde, esta obra despertaria o interesse de estudiosos ou simples curiosos dos fatos e fenômenos da vida fora da matéria, tão extraordinária em sua fremente palpitação como na silenciosa manifestação dos seres e coisas.
De que ele não se enganava, prova mais esta edição de CIÊNCIA ESPÍRITA, cujos editores merecem congratulações, não só pela divulgação que proporciona dos conhecimentos por ela prodigalizados, como pela justiça que praticam, retirando do olvido páginas tão expressivas.

Jesus Histórico - Por Gilnei Castro Müller

GILNEI CASTRO MÜLLER

EM BUSCA DO:

J E S U S    H I S T Ó R I C O

"O OUTRO LADO DA HISTÓRIA SOBRE A VIDA E A PERSONALIDADE DE JESUS CRISTO"
(A SUA DOUTRINA ESPIRITUALIZADORA)


DEDICATÓRIA

 "AOS ETERNOS BUSCADORES DA VERDADE"


O conteúdo desta obra é dedicado aos meus queridos familiares, aos companheiros de busca e amigos leitores, enfim, a todas as pessoas amigas que tive a felicidade de conhecer e conviver nesta atual trajetória terrena. Esperamos e desejamos ardentemente, que aquelas pessoas lúcidas e sinceras, que já se libertaram das crenças mitológicas e dos dogmas das religiões convencionais, como "eternos buscadores da verdade", encontrem nessa obra o incentivo, o ânimo e a coragem suficientes para continuarmos juntos em frente, em busca do esclarecimento racional sobre tudo que nos cerca, especialmente no que diz respeito à vida espiritual e a razão de ter o Jesus Histórico humano vindo ao planeta Terra na sua última reencarnação em um corpo humano do sexo masculino, tendo até os treze anos de idade habitado junto com seus pais e irmãos na pequena Nazareth, na Galileia, marcando inegavelmente a sua convivência em vida física e espiritual entre os demais seres humanos formadores do seu ambiente familiar e mais tarde com o grupo doutrinário dos primeiros discípulos ou apóstolos que o seguiram durante parte da trajetória terrena. Que possamos prosseguir nesta busca incansável até nos confundirmos com a “Verdade Total” como integrantes da Grande Luz no Plano Espiritual Superior, nos libertando plenamente dos desencontros e sofrimentos do conturbado e denso plano terreno. Gilnei Castro Müller

SUMÁRIO GERAL
Dedicatória
INTRODUÇÃO...
CAPÍTULO 1 - Jesus: seu nascimento, sua infância, seus pais e irmãos...
CAPÍTULO 2 - Onde esteve Jesus dos treze aos trinta anos?...
CAPÍTULO 3 - Jesus e as religiões cristãs...
CAPÍTULO 4 - Jesus e os Evangelhos Bíblicos...
CAPÍTULO 5 - Jesus e os Evangelhos Apócrifos...
CAPITULO 6 - Jesus e a Semana Santa...
CAPÍTULO 7 - Os milagres atribuídos à Jesus...
CAPÍTULO 8 - Parábolas atribuídas à Jesus...
CAPÍTULO 9 - A Crucificação de Jesus...
CAPÍTULO 10 - Quantos e quais foram os primeiros discípulos de Jesus?...
CAPÍTULO 11 - Maria Madalena teria sido mais um dos discípulos de Jesus?
CAPÍTULO 12 - O apóstolo Paulo fundou o Cristianismo ou o Paulinismo?...
CAPÍTULO 13 - Será que existiu um Jesus Histórico?...
CAPÍTULO 14 - Jesus e o Dia de Natal...
CAPÍTULO 15 - Quem são os autênticos cristãos?...
CAPÍTULO 16 - Como agem os verdadeiros cristãos...
CONSIDERAÇÕES FINAIS...
REFERÊNCIAS...
SOBRE O AUTOR...
POESIA ESPECIAL: Jesus de Nazaré...
GLOSSÁRIO: Significado de alguns vocábulos...

Os combates de Luiz de Mattos (1910 – 1921): O Espiritismo Kardecista e o Tratamento Médico da Doença Mental - Por Jacqueline de Souza Amaro

OS COMBATES DE LUIZ DE MATTOS (1910 – 1921):
O Espiritismo Kardecista e o Tratamento Médico da Doença Mental
Fundação Oswaldo Cruz - Casa de Oswaldo Cruz
Programa de Pós-Graduação em História das Ciências da Saúde

Rio de Janeiro, 2010

À Luiz de Mattos, in memorian

"Apesar de crescente interesse público, o Espiritismo tem sido ainda relativamente pouco investigado pela historiografia. Recentemente ele tem sido alvo de pesquisa de alguns historiadores e se transformado em tema de algumas teses e artigos em revistas científicas, sobretudo por antropólogos. Apesar do Centro Redemptor ter tido uma atuação social marcante no cenário carioca do início do século XX, principalmente no que tange o tratamento da loucura, ele não foi até o momento muito estudado. A presente dissertação objetivou sobretudo, apresentar uma contribuição à história do Espiritismo no Brasil e sobre a memória do Centro Redemptor, ressaltando o papel desempenhado por Luiz de Mattos." Por Jacqueline de Souza Amaro

Agradecimentos
"A gratidão é a memória do coração."
(Antístenes)
Poderão também conhecer a dissertação: FioCruz
Resumo
O Espiritismo é uma das práticas religiosas com maior número de adeptos e interessados no Brasil. Apesar de sua incontestável importância, poucos são os estudos históricos que se dedicam ao tema. Esta pesquisa visa analisar a atuação de uma das correntes espíritas mais influentes no início do século XX: O Espiritismo Racional e Científico Cristão, criado e dirigido por um rico cafeicultor português chamado Luiz de Mattos. Sob a égide desta doutrina foi construído o Centro Espírita Redemptor, no Rio de Janeiro, que adotava um método particular de tratamento da loucura. A presente
pesquisa visa analisar as divergências desta doutrina com a doutrina Kardecista e a concepção de loucura e terapêutica para o tratamento da mesma adotadas publicamente pelo representante do Redemptor entre os anos de 1912 e 1924.

Sumário
Introdução ...
Capítulo 1:
A Criação do Espiritismo Racional e Científico Cristão e a Frente de Batalha contra o Espiritismo Kardecista ...
1.1. Breve Contexto de formação do Espiritismo ...
1.1.1. As influências Teóricas Sofridas pelo Espiritismo ...
1.1.2. O Espiritismo no Brasil ...
1.1.3. Espiritismo: Ciência ou Religião? Divergências entre Grupos Espíritas Rivais ...
1.2. A Criação do Espiritismo Racional e Científico Cristão e do Centro
Espírita Redemptor ...
1.2.1. Breve biografia de Luiz de Mattos ...
1.2.2. Criação da Doutrina Espírita Racional e Cientifica Cristã e dos
Centros Espíritas Amor e Caridade e Redemptor ...
1.3.Espíritas X Espíritas: Disputa por Fiéis ...
1.3.1. Ataques Pessoais a Kardec  ...
1.3.2. Crítica ao Cotidiano das sessões Espíritas ...
1.3.3. Criminalização do Kardecismo ...
1.3.4. Incitação a Repulsa ...
1.3.5. Deslegitimação do kardecismo através de referências a
Similaridades do deste com as religiões afro ...
1.3.6. Soluções Propostas ...
2. Capítulo 2:
Diferentes Concepções de Loucura ...
2.1. A Psiquiatria Oficial frente à Loucura ...
2.1.1. Pinel, Esquirol, Morel e Kraeplin: Um Breve Contexto da
Psiquiatria do século XIX ...
2.1.2. A Formação da Psiquiatria no Brasil: Uma breve apresentação ...
2.2. O Espiritismo Kardecista Frente à Loucura ...
 2.2.1. Obsessão Espiritual ...
2.2.2. A Loucura nas Obras de Kardec ...
2.2.3. Bezerra de Menezes: A Loucura Sob Novo Prisma ...
2.3.O Espiritismo Racional e Científico Cristão e sua concepção de Loucura ...
3. Capítulo 3: O Espiritismo Racional e Científico Cristão e o polêmico
Tratamento à Loucura ...
3.1. Metodologia de Tratamento Espírita Racional e Científico Cristã contra a loucura ...
3.2. Reação na Sociedade ...
3.3.Luiz de Mattos e A Razão: Combate à Medicina Oficial ...
4. Conclusão ...
5. Fontes de Pesquisa ...
6. Bibliografia Geral ...
7. Anexos ...

Páginas Antigas - 1954 - Por diversos autores


Páginas
Antigas

1954




Índice

Prefácio
1 - Na Catedral de Braga - Testamento do Conde D. Henrique, lido por seu filho Afonso Henriques na presença de Egas Moniz - Por Antônio Castilho
2 - Retrato do tempo ou a voz da história em 1867 - J. de Melo Morais
3 - A Voz do povo é a Voz de deus - Luiz de Mattos
4 - A falta de educação - Luiz de Mattos
5 - Direitos da Mulher - Antônio do Nascimento Cottas
6 - Manifestação o espirito de Antônio José De Almeida em Sessão Pública no Centro Redentor, do Rio de Janeiro, em 1º de Novembro de 1929
7 - Luiz de Mattos - Antônio do Nascimento Cottas
8 - Luiz de Mattos - Othon Ewaldo - Transcrito da A Razão de 15 de janeiro de 1949 - II
9 - Luiz de Mattos - Joaquim Costa - III
10 - Luiz de Mattos - Luiz de Souza – IV
11 - Luiz José de Mattos - Antonio do Nascimento Cottas - Transcrito da “A Razão” de 16 de janeiro de 1940 – V
12 - Nosso Fundador - Emir Nunes de Oliveira – VI
13 - Luiz De Mattos - Transcrito da “A Razão” de 15 de janeiro de 1940 – VII
14 - Luiz de Mattos - Othon Ewaldo - Transcrito da "A Razão" de 15 de janeiro de 1953 – VIII
15 - Luiz De Mattos - Transcrito da “A Razão” de 15 de fevereiro de 1939 – IX
16 - Um homem que é um símbolo - Gervásio Viana Junior – X
17 - Luiz de Mattos - Othon Ewaldo – XI
18 - Preito de Gratidão e Saudade - Homenageada a memória do nosso fundador – Inauguradas as placas da Rua Luiz de Mattos – Os discursos proferidos - Transcrito da A Razão de 15 de janeiro de 1952 - XII
19 - Luiz Alves Thomaz - Antonio do Nascimento Cottas – I
20 - Luiz Alves Thomaz - Othon Ewaldo – II
21 - Luiz Alves Thomaz - Othon Ewaldo – III
22 - Sacadura Cabral - Após a sua morte desastrada - Manifestação do seu espírito no Centro Redentor – RJ - Presidência de Luiz de Mattos
23 - A Infalibilidade do Papa - Discurso pronunciado no celebre Concílio de 1870 pelo Bispo Straussmayer
24 - A Benção do Papa - Transcrito da “A Razão” de 26 de agosto de 1919.
25 - O Pensamento é Tudo - Luiz de Mattos
26 - Formação Do Caráter - Antônio do Nascimento Cottas


PREFÁCIO

Não há dúvida de que estamos atravessando uma fase de transição.

É como se a metade do século quisesse marcar esta época como de grande desenvolvimento, de acentuado progresso, de engrandecimento do país.

Infelizmente, progresso simplesmente material: a expansão das cidades, a industrialização em marcha progressiva, a mecanização da lavoura, a ampliação do comércio, enquanto e talvez por isso mesmo, estamos estacionários e – porque não dizê-lo? – retroagindo na moralidade e decência públicas, nos aspectos morais do povo, os mais importantes e de maior valia.

Enquanto o progresso material se expande, constata-se como que um rebaixamento nas virtudes pessoais, que sempre foram o nosso orgulho e que permitiram que caminhássemos tão depressa no conserto das nações civilizadas em busca do posto que nos compete na vanguarda e ao lado das nações líderes do mundo.

Esse rebaixamento moral generalizado – quem o culpado? A imprensa, o rádio, a frouxidão de nossas leis, a impunidade do delinquente, a complacência de pais e mestres – é ainda mais lamentável quando se projeta das altas camadas sociais, como um jorro de lama a manchar a consciencia pública, pelos perniciosos exemplos que oferece ao povo que trabalha e luta e sofre na conquista do pão de cada dia, nos atribulados tempos em que vivemos.

Porque o povo não pode compreender como pessoas tão altamente colocadas, ocupando cargos rendosos, ganhando polpudos ordenados, desfrutando influência e prestigio junto às camadas elevadas da sociedade e até aos círculos governamentais do país, passam de ser à prática de falsificações e desfalques, negociatas e subornos, interpretações maliciosas dos textos das leis e solertes re-estruturações, visando o enriquecimento fácil, a vida sem esforço e canseira, o gozo dos prazeres das grandes cidades, prevalecendo-se de suas funções de administradores de coisas públicas, dos dinheiros do povo, da preponderância dos elevados cargos que exercem, do prestígio dos seus amigos, para servir à ambição desmedida de tais indivíduos, parentes e apaniguados dos poderosos, políticos, altos funcionários públicos, capitalistas em detrimento dos legítimos interesses da coletividade, do povo, que uns, ele mesmo elegeu, outros, juraram defender seus interesses e instituições e todos traindo os ditames de honestidade e caracter que sempre foram o apanágio da nossa gente, generosa e desprendida.

Os comentaristas pela imprensa e radio classificam os tempos atuais de corruptos e venais.

Há quem escreva sobre a falta de caracter, o amolecimento da autoridade, o desrespeito à lei, a certeza da impunidade, a complacência ao aplicar-se a pena ao delinquente, e tantas outras queixas e razões apontadas como responsáveis por esse estado de coisas, que constrange e inquieta e revolta!

O Diário do Congresso enche várias de suas páginas com as constituições de “comissões de inquéritos” para apuração de fatos escandalosos e deslizes administrativos que chegaram ao conhecimento dos representantes do povo e que transbordam cá fora nos comentários das ruas, da imprensa e do rádio.

*
*   *

Por tudo isso, o lançamento duma obra como Páginas Antigas é de flagrante oportunidade.

Porque Páginas Antigas encerra uma coletânea de escritos de alto valor moral, de paginas esquecidas e que muito necessitam de ser relembradas.

Há em suas paginas elevadas lições de civismo e dignidade, preciosos conceitos sobre moral e caracter, fidelidade e conduta, e mais do que isso, o exemplo dignificante de atitudes dos homens do passado, provando como por eles eram cultivadas as excelsas virtudes do altruísmo e devotamento, da renuncia e do espírito de sacrifício pelo bem doutrem.

Imprescindível se torna que tais páginas já olvidadas não se percam para sempre. É necessário reuni-las, fazê-las de pronto manuseio, torná-las facilmente accessíveis aos olhos dos leitores de hoje, para que as novas gerações possam comparar os tempos em que vivemos com os dantanho.

Assim, um livro como Páginas Antigas é um bálsamo, um refrigério, um Oasis acolhedor para os espíritos céticos, amargurados e descrentes pela sucessão de fatos escandalosos, de negociatas e trampolinagens, e pelas atitudes reveladoras de baixezas e misérias morais, que, ultimamente, tem se desenrolado nos bastidores político-administrativos do país e revelados ao povo estarrecido e indignado.